spot_img

Últimas Notícias

Morre Beth Carvalho, ‘voz de aço’ do samba brasileiro

- Advertisement -

A cantora Beth Carvalho faleceu nesta terça-feira (30), aos 72 anos, no Rio de Janeiro. Internada desde o início do ano no Hospital Pró-Cardíaco com quadro de desidratação e outras complicações decorrentes de uma infecção. A equipe médica do hospital confirmou a causa da morte como uma septicemia – uma inflamação que se espalha pelo organismo diante de uma infecção.

“Nossa querida Beth Carvalho partiu hoje as 17:33, cercada do amor de seus familiares e amigos. Agradecemos todas as manifestações de carinho e solidariedade nesse momento. Beth deixa um legado inestimável para a música popular brasileira e sempre será lembrada por sua luta pela cultura e pelo povo brasileiro. Seu talento nos presenteou com a revelação de inúmeros compositores e artistas que estão aí na estrada do sucesso”, escreveu a equipe da cantora, em um comunicado oficial liberado para a imprensa.

A sambista já vinha com problemas de saúde que afetaram algumas das suas apresentações. Em 2009, dores fortes na coluna a obrigaram a cancelar sua apresentação no show de réveillon na Praia de Copacabana. Foi a homenageada da escola de samba Acadêmicos do Tatuapé em 2012, mas não pôde desfilar em São Paulo e passou por uma cirurgia. No ano passado, fez um show o lado do grupo fundo de Quintal deitada numa cama no palco.

Biografia

- Advertisement -

A sambista nasceu Elizabeth Santos Leal de Carvalho, no Rio, em 1946. A paixão pela música, ela herdou da família. Sua avó tocava bandolim e violão. Desde criança, ouvia Sílvio Caldas, Elizeth Cardoso e Aracy de Almeida, que eram grandes amigos de seu pai e que ele recebia em sua casa. E ali Beth ouvia, atenta, aos convidados do pai – e à cantoria.

Na adolescência, cantava bossa nova e outros ritmos em festas e, para ajudar a família, após o pai ser perseguido na ditadura por seus pensamentos de esquerda, ela passou a dar aulas de violão. Não por acaso, herdou do pai a postura engajada por toda a vida.

Gravou o primeiro compacto em 1965, com a canção ‘Por Quem Morreu de Amor‘, de Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli. Nos anos seguintes, seguiu a trilha dos festivais.

Seu primeiro sucesso foi Andança, de Edmundo Souto, Paulinho Tapajós e Danilo Caymmi, que ela defendeu no Festival Internacional da Canção, em 1968, e com o qual conseguiu o 3º lugar. A música também deu título ao seu primeiro LP, que foi lançado em 1969. Emendou outros sucessos na sua voz, como o hino ‘Vou Festejar‘, e eternizou ‘Coisinha do Pai‘.

Na década de 1970, foi ao encontro dos mestres, ao gravar ‘Folhas Secas‘, com Nelson Cavaquinho, e ‘As Rosas Não Falam‘, de Cartola. Dois momentos sublimes em sua carreira.

Ficou conhecida também sua presença assídua na quadra Cacique de Ramos, onde Beth identificava talentos no samba e os revelava, como aconteceu com nomes como Fundo de Quintal, Zeca Pagodinho, Almir Guineto, Sombra, Sombrinha, Arlindo Cruz, Jorge Aragão, entre tantos outros. Daí a alcunha de ‘madrinha do samba’. “Quem levou Beth Carvalho pro Cacique foi o Alcir Portela, que era jogador naquela época. Ela se apaixonou pelo samba tocado embaixo da Tamarineira. Gostou tanto que resolveu gravar com a gente em estúdio, no formato da nossa roda de samba”, contou, em seu site, o cantor, compositor e percussionista Bira Presidente, integrante do Fundo de Quinta.

- Advertisement -

Latest Posts

spot_img

Não Perca

Fique Sempre INFORMADO!

Receba em seu email as últimas notícias de americana e região!

WhatsApp chat