spot_img

Últimas Notícias

Agemcamp monta grupo para propor soluções para despoluir a Represa de Salto Grande

- Advertisement -

Agemcamp monta grupo para propor soluções para despoluir a Represa de Salto Grande; Assunto voltou a ser discutido na reunião dos prefeitos da Região Metropolitana de Campinas

A Agemcamp (Agência Metropolitana de Campinas) criou uma Câmara Temática específica para tratar da despoluição da Represa de Salto Grande, no Rio Atibaia, em Americana. As CTs contam com técnicos que ajudam na elaboração de projetos aos municípios.

O assunto voltou à tona durante a reunião do CD (Conselho de Desenvolvimento) da RMC (Região Metropolitana de Campinas), realizada no Clube do Bosque, em Americana, nesta terça-feira (17). A represa, que tem 72 anos, recebe esgoto doméstico e resíduos industriais de 18 municípios a montante (acima) da represa.

- Advertisement -

“Americana tem pago um custo ambiental altíssimo na represa”, disse o prefeito de Americana, Chico Sardelli (PV), que continua na sua cruzada pela despoluição. Segundo ele, 25% do esgoto de 18 municípios é despejado na represa.

“Nós estamos fazendo um encaminhamento para os prefeitos para que sejam nomeados os membros titulares e suplentes para que a gente possa ampliar essa discussão. Juntamente com isso, nós já começamos a fazer encaminhamento de documentação para os órgãos responsáveis e iniciamos uma conversa com o Ministério Público, que está muito empenhado nas questões da represa e já nos próximos dias teremos o agendamento da reunião da sequência dos trabalhos relacionados a represa de Salto Grande. É muito importante a participação de todos os municípios envolvidos”, disse Odair Dias, o novo diretor-superintendente da Agemcamp. A expectativa de Odair é obter resultados tangíveis a médio prazo, ou seja, de um a três anos.

O diretor-superintende do DAE (Departamento de Água e Esgoto) de Americana, Carlos César Gimenez Záppia, disse que o despejo dos esgotos melhorou nos últimos 20 anos, mas ainda estão sendo depositados sólidos e metais pesados na represa.

O canal na entrada da Praia Azul que tinha 8m de profundidade, tem hoje 70 cm, em razão do acúmulo de material sólido. Além disso, o agrotóxico usado na pulverização da lavoura de cana-de-açúcar também é arrastado para a represa. Uma das consequências da concentração desses materiais é a proliferações das plantas aquáticas e a redução da capacidade de reservação de água. Daí a importância do tema.

Foto: Fernando Giordano

- Advertisement -

Latest Posts

spot_img

Não Perca

Fique Sempre INFORMADO!

Receba em seu email as últimas notícias de americana e região!

WhatsApp chat