spot_img

Últimas Notícias

Jurídico das Câmaras de Americana e Santa Bárbara analisam ofensas de Corá a professora Juliana

- Advertisement -

Vereador barbarense mandou Juliana lavar boca com ácido sulfúrico depois que ela chamou o presidente Bolsonaro de genocida, em razão da demora para comprar vacinas contra a Covid-19, e por propagar medicamentos sem eficácia contra a doença

As presidências das Câmaras de Santa Bárbara d´Oeste e de Americana encaminharam ao corpo jurídico das respectivas Casas as denúncias feitas pela vereadora Juliana Soares do Nascimento, a professora Juliana (PT), de Americana, contra o vereador barbarense Felipe Corá (Patriota).

Juliana entrou com uma ação de danos morais contra o vereador barbarense e obteve liminar concedida pelo juiz Fábio D’Urso, da Vara do Juizado Especial Cível de Americana, para que Corá retire das suas redes sociais o vídeo em que fala para a vereadora lavar a boca com ácido sulfúrico antes de falar mal do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Ela pede indenização de R$ 10 mil. Ainda protocolou um ofício na Câmara barbarense, pedindo providências.

Vereador de Santa Bárbara, Felipe Corá.
- Advertisement -

O ataque foi feito depois que Juliana comentou durante uma sessão que o presidente era genocida, em razão da demora na compra de vacinas contra a Covid, e por propagar o chamado Kit Covid, sem eficiência para tratamento da doença.

Em nota, o presidente da Câmara barbarense, vereador Joel Cardoso, o Joel do Gás (PV), informou que encaminhará o documento para análise e parecer da Procuradoria da Casa de Leis. “Tendo conhecimento da situação via redes sociais e antes mesmo de recebermos o ofício da vereadora Juliana no gabinete da presidência, tomei a iniciativa de entrar em contato com ela, por telefone, para esclarecer que as opiniões e o posicionamento de Corá não representam a postura da Câmara de Santa Bárbara d’Oeste como instituição”, afirma Cardoso.

O presidente da Câmara de Americana, Thiago Martins (PV), também informou que encaminhará a solicitação protocolada por Juliana para o Jurídico da Casa analisar. E ainda demonstrou solidariedade à vereadora petista. “Nós somos solícitos a ela. Eu acho que tem que respeitar a mulher. O vereador foi infeliz na fala dele. Quando sai do âmbito de partido, do âmbito legislativo, se torna muito grave”, opinou Martins.

Ao ocupar a tribuna da Câmara para comentar o episódio, na sessão desta quinta-feira (5), Professora Juliana disse que a postura de Corá foi agressiva, misógina e fugiu do debate político. “Com uma postura agressiva, covarde, intimidadora, misógina, o vereador Felipe Corá publicou um vídeo, onde tenta desqualificar a minha pessoa, e as minhas posições em relação ao governo federal, fazendo um ataque raivoso”, disse. Ainda afirmou que foi um ataque à sua honra e dignidade. E mencionou que o ácido sulfúrico é considerado um instrumento de tortura e é muito usado em agressões contra mulheres, com o intuito de aniquilar com a aparência física da vítima, um atributo muito valorizado pela sociedade. Ela atribuiu o episódio como um discurso de ódio.

A vereadora protocolou ainda um pedido de abertura de processo administrativo contra um servidor comissionado da Câmara de Americana que reproduziu o vídeo com os ataques proferidos por Corá em um programa de TV e, entre risos, pediu respeito à fala do vereador barbarense.

Corá foi procurado pelo JÁ, mas preferiu não se manifestar.

- Advertisement -

Latest Posts

spot_img

Não Perca

Fique Sempre INFORMADO!

Receba em seu email as últimas notícias de americana e região!

WhatsApp chat