Últimas Notícias

Juninho Dias é acusado de agredir mulher em evento no Zanaga

- Advertisement -

O desentendimento entre as partes ocorreu no “Festival da Pipa” e, segundo consta em denúncia, teria culminado em agressão física e perseguição de vítima.

O evento familiar “Festival da Pipa”, ocorrido na tarde de sábado (16) no bairro Antonio Zanaga, terminou em agressão física. É o que afirma a vítima, uma mulher de 32 anos, que teria levado socos desferidos pelo vereador Juninho Dias (MDB) após desentendimento sobre uma foto. Boletim de ocorrência foi registrado na madrugada deste domingo (17).

Conforme relatado pela vítima à polícia, a mulher estava no local na companhia dos filhos – crianças de 3, 8 e 12 anos – quando uma pessoa desconhecida se aproximou e tirou fotos da família. A americanense não teria gostado de ter sido fotografada e reclamou do ocorrido com o seu namorado, que também estava no local. O homem que tirou as fotos teria ouvido a reclamação e repassado a mesma ao vereador Juninho Dias, organizador do evento.

Agressão

- Advertisement -

O parlamentar teria se irritado com a reclamação da mulher e se aproximou, exigindo que a mesma se retirasse do local. Após a negativa, vereador – que também é professor de Karatê – a tirou do local à força.

Confira abaixo trecho do boletim de ocorrência que relata o momento:

“(…) Foi pessoalmente conversar com a vítima e, em seguida, expulsou-a do local, dizendo para pegar os filhos e ir embora. Enquanto estava saindo do evento, o investigado foi atrás de sua pessoa e desferiu diversos socos em seu rosto, de forma gratuita”.

A mulher sofreu ferimentos no rosto e compartilhadas pela vítima para provar a agressão. Ela foi socorrida, no local, pela filha adolescente.

Foto: Arquivo Pessoal / Edição: EPTV
Foto: Arquivo Pessoal / Edição: EPTV

Em nota, o vereador afirmou que “solicitou gentilmente a retirada do espaço” e que o motivo de sua aproximação teria sido a utilização de cerol (química proibida, utilizada por vezes para tornar a linha cortante). A vítima nega ter utilizado cerol e afirmou que a linha utilizada na pipa foi cedida pela organização do evento, e cita como prova a divulgação do festival, o qual já informava da distribuição.

A informação sobre a distribuição da linha está presente nas redes sociais do Instituto Jr Dias. Confira abaixo:

Foto: reprodução Facebook – Instituto Jr Dias

Imprensa

À EPTV, a vítima informou que havia ainda sigo perseguida pelo parlamentar, que teria ido até a casa da mesma. Abaixo você confere o trecho da reportagem publicada pelo veículo:

“Posteriormente, quando foi para casa, a vítima disse que o vereador voltou a procurá-la na residência. Informou, no depoimento, que Juninho Dias disse que ela teria roubado o telefone celular dele durante a confusão no evento, e que o vereador teria pedido à Guarda Municipal para vistoriar o imóvel, onde nada teria sido encontrado”.

A reportagem continua:

“Na mesma noite, a mulher disse aos policiais ter sido ameaçada de morte pelo parlamentar. O boletim descreve que o vereador voltaria na residência com um revólver para matá-la caso ela não devolvesse o celular. O caso foi registrado como lesão corporal e ameaça consumados no 3º Distrito Policial de Americana”.

Juninho Dias

O parlamentar utilizou as redes sociais para informar o ocorrido, na visão do mesmo. Confira abaixo, na íntegra, a carta publicada:

“Venho, por meio desta nota, apresentar meus esclarecimentos sobre supostas acusações envolvendo meu nome na tarde deste sábado.

Inicialmente esclareço que durante toda a tarde estive no evento do Dia da Pipa promovido pelo Instituto Jr Dias, evento que reuniu centenas de pessoas, principalmente crianças, para uma tarde de diversão.

Durante todo o evento era proibido o uso de linha cortante, o que não foi acatado por um casal com seus filhos, razão esta pela qual gentilmente solicitei a retirada do espaço.

Neste momento, dentro do campo com os todos os presentes, me foram proferidas ofensas pela mulher, com ameaças inclusive.

Retirados do campo, ao lado de fora, já próximo ao meio-fio, o rapaz proferiu ofensas e ameaças a mim e a meu pai, momento em que este rapaz, visivelmente alterado, vem na minha direção e de minha família, instante que meu pai o imobiliza.

Solicitamos que continuassem sua retirada, devido aos gritos da mulher, as crianças e pais presentes se aproximaram, momento que uma de nossas voluntárias pede para que o casal e seus filhos se afastassem, evitando o constrangimento dos presentes, ocorre que neste instante a mulher que alega ser agredida, segurada por sua filha, puxa o cabelo da voluntária que estava de costas, esta que para se desvencilhar se defende com uma cotovelada.

A voluntária, mesmo após todo o ocorrido, insiste que o casal se afaste, momento que a GAMA, que acompanhava o evento e de longe acompanhou a movimentação, aproximou e os mesmos foram embora.

Durante todo o ocorrido prezei pela vida do meu pai, estando com ele até que tudo se tranquilizasse. Todo a situação se deu em um local público, aberto e com inúmeros presentes. Pontuo ainda que em nenhum momento os policiais se dirigiram ao campo, tendo a mesma procurado pela polícia em sua residência, em lapso temporal distante dos fatos.

Ainda, quanto a alegação da mulher ser em razão de fotos tiradas, nossos eventos são em espaços públicos e abertos com uso de imagens gerais, há mais de 10 anos, sendo isso de conhecimento de todos que dele participam. Meu celular pessoal foi furtado durante toda a situação.

Quanto a eu ter me dirigido até a residência da mulher em comento, esclareço que fui acompanhado de dois pais, após alegações sobre ter visto a mesma pegando meu aparelho celular e o rastreio do aparelho mostrar que o aparelho encontrava-se próximo ao local, motivo este que fui até lá questionar e a mesma informou, nas seguintes palavras: “fica agora com esse prejuízo”, então voltei com os pais e comuniquei o ocorrido à guarda.

Mesmo após toda a situação permaneci no evento, não imaginando a proporção dos fatos. Estarei tomando as devidas providências. No mais, deixo meus agradecimentos a quem confia no meu trabalho e acredita na minha conduta sempre transparente com a população.

Juninho Dias.”

Câmara Municipal

Na tarde deste domingo (17), o presidente do Poder Legislativo, vereador Thiago Martins (PV) emitiu, via assessoria de imprensa da Câmara Municipal, nota sobre o acontecimento. Confira abaixo, na íntegra:

A Câmara Municipal de Americana informa que tomou conhecimento exclusivamente através de matérias publicadas na imprensa dos fatos relacionados ao vereador Juninho Dias (MDB). A Mesa Diretora reforça que, no que for de sua competência, adotará fielmente o disposto na Lei Orgânica do Município e no Regimento Interno da Câmara. Como ente público, esta Casa Legislativa repudia qualquer tipo de violência e segue cumprindo a legislação, reservando-se no momento a acompanhar o caso e aguardar seus desdobramentos, visto que não foi notificada oficialmente.

Atenciosamente,

Vereador Thiago Martins
Presidente da Câmara Municipal de Americana

- Advertisement -

Latest Posts

Mais Lidas